23 de julho de 2019

Como combater a evasão escolar no Brasil

Por Nicolle Abreu

Compartilhar

Quando um aluno rompe sua trajetória de educação não se matriculando novamente na escola, tem-se o fenômeno da evasão escolar. O Brasil tem a terceira maior taxa de evasão escolar do mundo e o assunto é pauta de diversas discussões no meio educacional. Falta de interesse ou motivação no processo educacional, metodologias inadequadas, problemas financeiros e professores mal preparados são alguns dos motivos que ocasionam a evasão de alunos no ensino básico.

O gestor escolar possui um papel fundamental na retenção dos alunos. Pensando nisso, preparamos esse artigo com dicas para combater a evasão escolar, diagnosticando os problemas que levam a esse acontecimento e como contorná-los. Confira!


11 dicas para combater a evasão escolar

Apesar de se tratar de um problema bastante recorrente, algumas medidas podem ser adotadas para reduzir o índice de evasão escolar:

1)Pontuar os pontos fracos da escola

Uma das causas que ocasionam a evasão escolar é o desinteresse dos discentes. Dessa forma, o ideal é analisar o que a instituição tem feito para melhorar seus processos. Os departamentos financeiro e pedagógico devem se unir, identificar e avaliar o que precisa ser modificado. As mudanças podem ir desde uma reforma na infraestrutura à capacitação do corpo docente para implementar tecnologias educacionais.

A partir dessa análise, também é possível pontuar mudanças no Projeto Político Pedagógico, além de avaliar a comunicação entre alunos e instituição.

2)Revisar a metodologia pedagógica

Gestores podem reavaliar a eficácia do método de ensino da instituição. Os alunos estão motivados? As estratégias alcançam seus objetivos de agregar conhecimento e despertar a curiosidade pelo saber? Todas essas questões precisam ser analisadas. Ouvir os discentes pode ser uma boa prática. Dessa forma, é possível entender a rotina da sala de aula e desenvolver maneiras de tornar as matérias mais interessantes e atraentes. Uma metodologia que mostra ao corpo estudantil como relacionar e aplicar o que é exposto em sala no seu cotidiano tem se mostrado mais eficaz.

3)Utilizar tecnologia na instituição de ensino

Explorar a tecnologia em sala de aula é uma maneira de adaptar o método de ensino à geração que está em sala hoje. Mais uma vez, trata-se de despertar o interesse dos discentes levando o que é proposto em sala para o que é conhecido por eles. Adaptar os métodos ao dia a dia do corpo estudantil.

Os jovens cresceram em um meio digital. Suas interações acontecem por meio de redes sociais e várias informações são facilmente acessadas com um simples clique. Dessa forma, as aulas passam a ser grandes monólogos que não despertam o interesse. Incluir tecnologias educacionais em sala de aula pode ser uma boa estratégia para reduzir a evasão escolar.

4)Promover a capacitação do corpo docente

Professores mal preparados não são capazes de lidar com as novas necessidades dos jovens. Incentivar a formação continuada dos profissionais é ideal para que professores se atualizem e se capacitem. Isso ajuda, por exemplo,na utilização de recursos tecnológicos que serão inseridos em sala de aula. Além de rever suas metodologias para adaptá-las à realidade dos discentes.

5)Desenvolver projetos interdisciplinares na escola

Transmitir aos estudantes a noção de um todo pode ser uma maneira interessante de relacionar as disciplinas com o mundo. Isso pode ser feito através de projetos interdisciplinares, que permitem aos discentes conectarem as diversas áreas do conhecimento. Sendo assim, trabalhos de Biologia, podem ser aliados com Física e Química, já que alguns dos processos estão interligados.

Percebendo a conexão entre o real e o que se aprende, o aluno passa a demonstrar mais interesse nas aulas. Projetos interdisciplinares fomentam o engajamento dos alunos e criam oportunidades para debates e outras situações que fortificam o conhecimento.

6)Limitar a quantidade de alunos na sala de aula

Quanto mais alunos, mais difícil fica mensurar dados, acompanhar resultados ou diagnosticar dificuldades. Turmas reduzidas facilitam o acompanhamento dos discentes, além de melhorar o aproveitamento dos conteúdos.

A evasão escolar não se dá de uma hora para outra. Geralmente trata-se de um processo que envolve muitos fatores, que podem ser identificados prematuramente com turmas menores. Consequentemente, isso permite que os alunos recebam apoio e suporte mais acentuado do corpo docente.

7)Monitorar a frequência do aluno

Trata-se da ação mais comumente utilizada. Controlando o índice de presença dos alunos através de chamadas e contato com a família, a escola pode se manter ciente da situação e agir de maneira mais assertiva com os alunos que apresentem pouca presença. Existem instituições que automatizam os controles de chamada, enviando mensagem aos pais ao constatar a ausência do aluno.

8)Envolver os pais na rotina escolar

Envolver os pais e responsáveis na rotina escolar do filho pode ser um desafio para os gestores. Ainda assim, pais participativos podem ser a chave para o combate à evasão escolar. Dessa forma, cabe à instituição promover um ambiente atrativo para a família. Transformar a escola em um ambiente onde eles encontram apoio e atenção é crucial para que instituição e família trabalhem em conjunto.

Promover reuniões atrativas e fora dos padrões burocráticos pode ser o início para se estabelecer ligação entre família e instituição. Além disso, eventos escolares também auxiliam no estreitamento desses laços.

Um gestor acessível também é crucial para o bom desempenho desse processo. Uma gestão democrática atende melhor às demandas, preocupações, desejos e expectativas da comunidade. Sendo assim, manter os pais conscientes de que o desempenho dos jovens geralmente está relacionado com a participação deles no processo de aprendizagem é uma boa estratégia para se relacionar bem com a família. Ligar para os responsáveis assim que se detecta a ausência do estudante é uma maneira de demonstrar o interesse da instituição no aluno.

9)Melhorar a infraestrutura da escola

Melhorar a infraestrutura da instituição é fundamental para que o processo de ensino-aprendizagem seja efetivo. Investir em uma sala de informática com computadores o suficiente para todos os alunos é mais eficiente do que dividir a turma em turnos para a utilização. Além disso, um ponto importante para se lembrar é que as mudanças na infraestrutura devem ter como objetivo tornar o aprendizado mais produtivo.

10)Monitorar as ações e processos

A união entre todos os envolvidos da comunidade escolar é uma boa estratégia para combater a evasão escolar. Diversas ações podem ser implementadas para aumentar o interesse dos alunos pelos estudos. Dessa forma, é essencial que o gestor monitore essas ações durante todo o ano letivo, e não apenas no período de matrículas. Esse acompanhamento permite que a instituição estabeleça ações preventivas.

11)Estratégias de ensino inovadoras

Pensar que todos os processos avaliativos e educacionais funcionam da mesma maneira com todos os alunos é um dos principais erros cometidos pelas escolas no Brasil. O estudante muitas vezes se sente desmotivado pela falta de identificação com os processos e projetos em sala de aula.

Levar para sala de aula diversidade em métodos educacionais pode ser uma maneira eficiente de evitar a evasão escolar. Clube de livros podem ser criados como atividade extras, que além de motivarem os alunos ainda incentivam a leitura. Existem plataformas e e-commerce responsáveis pela venda de livros com foco nas instituições, o que facilita essas atividades.

As principais causas da evasão escolar

As causas que levam à evasão escolar passam por diversas esferas do meio acadêmico. Os motivos mais frequentes são ausência de interesse pela escola, transtornos ou dificuldade de aprendizagem, falta de estímulo familiar, questões financeiras que obrigam o aluno a trabalhar, além de problemas de acesso à unidade de ensino.

O contexto educacional do aluno está diretamente ligado ao seu desinteresse pelos estudos. Vale repensar a proposta pedagógica da escola, além do tipo de metodologia empregada pelos docentes. Geralmente, posturas que não colocam o discente como protagonista tendem a afastá-lo do meio acadêmico.

Além disso, defasagem de conhecimentos que já deveriam ter sido adquiridos em anos anteriores, incompatibilidade entre métodos de ensino e os níveis de aprendizagem dos alunos, e até mesmo a falta de investimento em tecnologia podem ser as causas das dificuldades de aprendizagem. Algumas tecnologias educacionais têm o intuito de facilitar o processo de ensino-aprendizagem. Isso permite que alguns alunos respondam melhor a ele.

Evasão escolar e abandono escolar – entenda a diferença

Diferente do que muitos acreditam, existe uma diferença entre evasão e abandono escolar. Quando falamos em evasão escolar, trata-se do aluno que completa um determinado ano letivo, mas não realiza a matrícula para o ano seguinte.

O abandono escolar implica no aluno que abandona a instituição durante o período de aulas. Compreendendo essa diferença é possível diagnosticar de maneira mais assertiva os motivos que levam os alunos a deixarem a instituição, e dessa forma, evitar esse fenômeno.

Conclusão

Considerada uma das mazelas sociais do Brasil, a evasão escolar impede o pleno desenvolvimento do país. Trata-se de um grande problema que demanda atenção e cuidado dos profissionais de educação. Sendo assim, contar com o apoio de toda a comunidade, com uma rede apoio é uma maneira de tentar evitar a evasão. Cabe ao gestor analisar estratégias para tornar o meio acadêmico mais atrativo para o aluno.

Para ajudar o gestor no processo de melhoria da instituição, preparamos esse infográfico gratuito com quatro ferramentas digitais para ajudar na gestão escolar.

4-ferramentas-digitais-para-a-gestao-escolar

Compartilhar

Leia Também:

Deixe seu comentário