16 de julho de 2019

Gestão democrática da escola: por que é importante e como implementar?

Por Nicolle Abreu

Compartilhar

De acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), a oferta de educação básica deve ser baseada no princípio da Gestão Democrática. Atualmente essa proposta está presente na maioria dos discursos da reforma educacional referente à gestão. A gestão democrática da escola fomenta uma coparticipação nas tomadas de decisões.

Preparamos esse artigo para esclarecer possíveis dúvidas e como implementar a gestão escolar na escola. Confira!


O que é a gestão democrática na escola?

Implica na participação eficiente nos aspectos organizacionais dos vários componentes da comunidade escolar — como pais, estudantes, docentes, gestores e funcionários da instituição.  Envolve a participação em decisões como a destinação dos recursos financeiros e sua fiscalização, além de pontuar as necessidades de investimento.

Desempenhando um papel fundamental nesse modelo de gestão, o diretor pode facilitar ou dificultar a implementação dos procedimentos participativos. Em algumas gestões, é notável a melhora do desempenho da instituição em que diretores investem na capacitação de profissionais e no desenvolvimento de sistemas de acompanhamento escolar.

O papel do diretor na gestão democrática da escola

Atualmente as instituições precisam de gestores facilitadores. Sendo assim, estima-se profissionais que trabalham visando a resolução de problemas em grupo, exercendo sua liderança em conjunto com professores e colegas. Cabe a ele, também, ajudar a identificar suas necessidades de capacitação. Assim, o profissional é capaz de adquirir habilidades necessárias para uma formação de qualidade.

Um bom gestor possui a capacidade de ouvir o que os outros têm a dizer, delegando autoridade e dividindo o poder. Todos os integrantes do corpo estudantil dirigem-se ao diretor com suas ideias, desejos e problemas. Sendo assim, é importante que esse profissional seja uma pessoa aberta ao diálogo, firme, calmo e capaz de encorajar o corpo docente nas horas de desânimo.

Uma gestão democrática depende, além de uma comunidade participativa, de um diretor aberto e que estimule a integração de todos no processo de tomada de decisões. Garante-se assim, uma melhora no processo de ensino-aprendizagem, além de encorajar o gestor a enfrentar os desafios cotidianos.

Saiba como fazer uma gestão democrática na escola

Diversos são os desafios na implementação de uma gestão democrática na escola. Para que essa implementação seja efetiva e assertiva alguns pontos podem ser dados como prioridade para a gestão escolar.

Dar ouvidos a comunidade escolar

A escola é feita para suprir as necessidades da comunidade. Sendo assim, a participação de todos é fundamental para que se conheça mais sobre essas necessidades. Essa participação e integração se dá por meio do diálogo. Cabe ao gestor garantir que todos sejam ouvidos.

Abrir as portas da instituição é uma boa maneira de fazer com que a comunidade se sinta à vontade nela. Envolva a todos em projetos educativos e peça avaliações e críticas. Desse modo, é possível construir um laço de confiança com os alunos, pais e responsáveis.

Construção de um bom planejamento escolar

Para que a gestão escolar democrática possa existir e funcionar com eficiência, um bom planejamento escolar é essencial. Planejar é uma maneira eficiente de analisar os objetivos esperados para esse tipo de gestão. Dessa forma, é possível estabelecer o melhor caminho a ser seguido.

Distribuir responsabilidades e contar com os principais agentes da formação acadêmica é uma maneira eficiente de estabelecer os passos necessários para a transformação esperada. Conversar com a comunidade escolar também é uma maneira de traçar os objetivos durante o planejamento. Isso torna possível escolher a representatividade de cada membro.

Transparência com as decisões tomadas

Apesar de serem tomadas de maneira coletiva, algumas decisões não ficam claras para todos os envolvidos. Para isso, é necessário manter o processo o mais transparente possível. O ideal é que todas as ações da instituição sejam divulgadas. Isso pode ser feito através de redes sociais, um portal do aluno ou até mesmo nos corredores da instituição. Dessa maneira, todos podem conhecer as ações e os impactos delas no dia a dia da escola.

Dessa forma, é possível que todos percebam a motivação da escola em estabelecer uma relação de parceria com seus membros. Um gestor democrático adota uma postura mais voltada para a coletividade e menos para as próprias decisões.

Proporcionar a união entre todos envolvidos

Geralmente restritas a reuniões escolares e conversas sobre a instituição, a união entre os membros da comunidade escolar deve extrapolar esses padrões e incentivar a participação de todos nas ações e decisões.

Cabe ao gestor dialogar e incentivar a comunidade a participar da implementação dessa gestão. Essa não é uma missão fácil. Convencer as pessoas de que elas possuem um papel fundamental dentro da instituição pode demandar bastante tempo e esforço, principalmente quando falamos de pais e responsáveis que acreditam que a escola é apenas a responsável pela educação dos filhos.

Isso comprova a importância do planejamento, já que é nele em que os momentos de abordagem dos pais e responsáveis são definidos. Nesses encontros procure levantar as necessidades da comunidade. Aproveite também a oportunidade para explicar a mudança de gestão e os reflexos que ela trará para a melhora da instituição.

Conclusão

Adotar a gestão democrática na escola envolve assumir novas responsabilidades e dividir seu papel na tomada de decisões. Só assim é possível oferecer autonomia para os membros da comunidade escolar e, desse modo, buscar soluções e agregar valor à escola.

Uma decisão que demanda trabalho e planejamento deve ser estudada e avaliada. Para te ajudar a construir um bom planejamento escolar preparamos um infográfico gratuito listando os 5 pontos de atenção na hora de construir esse planejamento.

Compartilhar

Leia Também:

Deixe seu comentário